Dicas - Hell Patrol

Dicas


  A máxima diz que a curva quebra a monotonia da reta e evita o sono, e quem disser que não gosta de curva não é Motociclista. Fazer um curva bem feita é uma arte (não falamos em velocidade, essa fica ao gosto de cada um).
 Qualquer um consegue acelerar uma Motocicleta numa reta, mas a pilotagem de Motocicletas envolve curvas. O prazer de pilotar uma Motocicleta é menos relacionado a velocidade pura do que com a
capacidade de fazer a curva bem feita.

 Frear na curva NUNCA, obviamente que, em situações extremas, o remédio é frear mesmo.

 A situação mais comum que justifica frenagem em curva é quando entramos muito rápido numa curva e algum obstáculo a frente nos obriga a reduzir rapidamente de velocidade. Um carro muito lento na pista, um obstáculo parado (pedra, buraco, areia, etc) bem na trajetória da Motocicleta significa um choque na certa. Aí o jeito é frear.

 Em situação de emergência o melhor é colocar a Motocicleta na vertical, acionar os freios e a embreagem ao mesmo tempo. Observe que essa medida fará com que a Motocicleta saia pela tangente, portanto, leve em consideração esse risco de você sair da faixa ou até mesmo da pista/rua. Com a Motocicleta na vertical a frenagem vai evitar que a Motocicleta derrape e saia também pela tangente. Ou seja, frear com a Motocicleta inclinada ou frear com a Motocicleta na vertical significa que a  Motocicleta vai, invariavelmente, sair pela tangente.

 A diferença é que ao frear a Motocicleta na vertical o piloto ainda tem uma chance de controlar a Motocicleta. Se ela está inclinada/deitada o mais provável é que sairá pela tangente do mesmo jeito só que derrapando e com o piloto ralando as peles no chão.

 Não é coisa a se desejar para quem quer que seja, portanto, tomem cuidado nas curvas.

A técnica básica para fazer curvas seria a seguinte :

1. Planeje a curva com antecedência. Se o percurso for conhecido, se a curva você já conhece, planeje a velocidade de entrada da curva, a velocidade do miolo da curva e o momento em que você vai voltar a acelerar. Tenha um "plano B" para a curva, caso um buraco ou obstáculo apareça no meio da curva. Mentalize uma área de escape para o caso de algum imprevisto. Ao mesmo tempo foque a sua concentração no trajeto que você quer seguir. Siga a máxima "não olhe para onde você não quer ir".

2. Freie a Motocicleta antes de começar a incliná-la, em linha reta na entrada da curva. Reduza a velocidade e deixe a Motocicleta na marcha correta.

3. Alivie o acelerador enquanto a curva for fechando, ou seja, você está seguindo para o miolo da curva, o ponto de tangência. A Motocicleta deve estar engrenada, em marcha e não embreada. Incline a Motocicleta a medida que vai fechando a curva.

4. A partir do ponto de tangência, ou seja, o local na curva a partir do qual a curva volta a brir, acelere levemente a Motocicleta e vá trazendo-a para a vertical novamente. É importante acelerar moderadamente para reequilibrar a Motocicleta distribuindo mais igualmente o peso do conjunto Motocicleta+piloto entre a roda da frente e a de traz.


© 2011 webdesign by Pink Purple